SINAIT obtém do ministro Luiz Marinho garantia de restabelecimento, ainda em junho, da isonomia salarial do Bônus de Produtividade


Por: Dâmares Vaz
Edição: Andrea Bochi
05/06/2024



O SINAIT obteve do ministro do Trabalho, Luiz Marinho, a garantia de que, ainda em junho, as condições do Bônus de Eficiência e Produtividade dos Auditores-Fiscais do Trabalho serão ajustadas para que seja restabelecida a isonomia salarial da carreira com a Auditoria-Fiscal da Receita Federal. O ministro deu a declaração a um grupo de Auditores do Trabalho que, respondendo a convocação do Sindicato, realizaram um ato em frente ao Ministério da Gestão e da Inovação em Serviços Públicos (MGI), nesta quarta-feira, 5 de junho, em Brasília. Além de servidores do Distrito Federal, participaram Auditores dos estados de Goiás e Paraná, incluindo delegados sindicais.

A categoria protestou no mesmo momento em que ocorria uma reunião do ministro do Trabalho e da ministra do MGI, Esther Dweck, e respectivas equipes, sobre o assunto. “A categoria não irá desistir enquanto não for corrigida essa injustiça. Já são três meses que os Auditores do Trabalho vêm sofrendo discriminação, ao verem a isonomia salarial ser quebrada”, afirmou a diretora do SINAIT Rosa Jorge, que abriu as falas na manifestação.

Em se cumprindo a garantia do ministro de ajuste nas condições da parcela de produtividade ainda em junho, as novas regras valeriam a partir de julho e entrariam na folha salarial em agosto. Em certo momento da conversa com representantes do Sindicato, Marinho reforçou que a isonomia é um direito da categoria, fixada em lei.

O delegado Anísio Barcelos da Silva (GO) e as delegadas sindicais Dalva Coati (PR) e Maria Cândida da Silva Carvalho (DF), além do presidente da Aafitego (Associação dos Auditores do estado de Goiás), Roberto Mendes, afirmaram que as bases continuarão mobilizadas até que seja resolvida a questão. Eles entendem que a reunião dos ministros nesta quarta é um momento decisivo, que vem como resposta à mobilização dos Auditores-Fiscais do Trabalho. “Devemos lembrar ainda que o ajuste no bônus é a concretização do acordo de 2016 fechado pelo governo com a categoria.”

As diretoras Maria Teresa Pacheco e Olga Machado e o diretor Marco Aurélio Gonsalves reforçaram as demandas da categoria. “Queremos a igualdade de tratamento com outras carreiras de Estado e o cumprimento do acordo de 2016. E nossa mobilização continua até a efetiva regulamentação do nosso bônus”, reiteraram.

Reunião no MGI

Além dos ministros do Trabalho e do MGI, participaram da reunião a representante da Casa Civil, da Secretaria Especial de Análise Governamental (SAG), Paula Albuquerque Mello Leal; o secretário de Inspeção do Trabalho, Luiz Felipe Brandão de Mello; o secretário de Relações de Trabalho, José Lopez Feijóo, além de outros integrantes das equipes dos dois órgãos.

Categorias


Versão para impressão




Assine nossa lista de transmissão para receber notícias de interesse da categoria.