08 Ago

SP: Auditores-Fiscais do Trabalho interditam montagem da Festa do Peão de Barretos

Publicada em: 08/08/2018

Fiscalização encontrou empregados sem registro e situações que colocam em risco a segurança dos trabalhadores

Por Lourdes Marinho

Edição: Nilza Murari

Auditores-Fiscais do Trabalho do Grupo Especial de Fiscalização Móvel – GEFM interditaram as atividades de montagem da Festa do Peão de Barretos, no Parque do Peão, em Barretos (SP) nesta terça-feira, 7 de agosto. A fiscalização encontrou situações de risco à segurança dos trabalhadores, além de empregados sem registro na Carteira de Trabalho. A tradicional festa está prevista para começar dia 16 de agosto e conta com atrações nacionais e internacionais, atraindo turistas de todo o país.

A fiscalização interditou andaimes sem guarda-corpo, rodapé e escadas, carpintaria e serralheria com risco de explosão por causa da utilização de inflamáveis em área com instalações elétricas improvisadas. Além de tendas de lona montadas a 10 metros do solo sem procedimentos adequados para o trabalho em altura.

Em nota, a Associação Os Independentes, organizadora da festa, informou que notificou as empresas terceirizadas, responsáveis pela contratação e gestão da mão de obra, e exigiu providências imediatas.

Um alojamento usado por 12 trabalhadores cearenses também foi interditado devido às rachaduras nas paredes, às instalações elétricas improvisadas e à falta de sanitários e de local adequado para refeições. De acordo com os fiscais, o grupo trabalhava sem registro em Carteira de Trabalho.

A fiscalização coordenada pelos Auditores-Fiscais do Trabalho, com a participação da Polícia Federal, Ministério Público do Trabalho e da Defensoria Pública da União teve início no sábado, 4 de agosto.

De acordo com o Auditor-Fiscal do Trabalho Magno Riga, coordenador da ação, além da interdição serão lavrados autos de infração por descumprimento da legislação trabalhista. A Associação Os Independentes foi notificada e uma nova inspeção deverá ser feita para avaliar as regularizações exigidas.

Com informações do GEFM, do G1 Ribeirão Preto e Franca e da Folha de São Paulo.