08 Mai

Chacina de Unaí – Recursos do MPF contra anulação do julgamento de Mânica foram admitidos e irão ao STJ

Publicada em: 08/05/2019

SINAIT foi a MPF para tratar do assunto com procurador que irá atuar o processo

Por Nilza Murari

Os recursos do Ministério Público Federal – MPF contra a decisão do Tribunal Regional Federal da 1ª Região – TRF1, de anular o julgamento de Antério Mânica, foram admitidos. A decisão foi publicada no dia 7 de maio e os recursos serão agora analisados pelo Superior Tribunal de Justiça – STJ – veja decisão aqui. Mânica é acusado de ser mandante da Chacina de Unaí, ocorrido em 28 de janeiro de 2004, em que foram assassinados os Auditores-Fiscais do Trabalho Eratóstenes de Almeida Gonsalves, João Batista Soares Lage e Nelson José da Silva, e o motorista Ailton Pereira de Oliveira. A sessão do TRF que anulou o julgamento foi realizada em 19 de novembro de 2018 – relembre aqui.

Para tratar dessa nova etapa da busca pela condenação e prisão de todos os envolvidos nesse crime, a vice-presidente do SINAIT, Rosa Jorge, esteve com o procurador Alcides Martins nesta terça-feira, 7 de maio, em Brasília. Ela foi acompanhada das viúvas de Eratóstenes de João Batista, respectivamente, Marinez Lina de Laia e Genir Lage.

Marinez e Genir falaram ao procurador sobre a decepção com a decisão do Tribunal Federal. Ressaltaram que há 15 anos as famílias se encontram em estado de alerta, sem justiça, sofrendo sequelas e adoecimentos. “Para nós, foi muito duro. Perdemos a esperança”, destacou Marinez.

Rosa Jorge disse a Alcides Martins que o SINAIT e as famílias confiam no MPF. “Depois do desvendamento da trama do crime pela Polícia Federal, foi o MPF que agiu brilhantemente em busca da condenação de todos os acusados. Pedimos, mais uma vez, que a instituição promova a Justiça”.

O procurador afirmou que a busca da justiça é uma obrigação do MPF e que o caso ofende a toda a sociedade. Garantiu que a missão será cumprida com toda a celeridade e empenho.

O pedido é para que a Justiça reconheça a legitimidade do resultado do julgamento realizado em Belo Horizonte (MG), em 2015. Antério Mânica foi condenado a 100 anos de prisão por ser mandante do crime.

O processo ainda não chegou ao gabinete de Alcides Martins. A equipe de assessores já busca informações e se prepara para atuar no caso. Também participaram da reunião a assessora chefe Luciana Coimbra e o assessor jurídico Anderson Lopes.​